A Adaptação do Espaço no Tempo

Autoria: Luis Filipe Brito Correia

Orientação: Hugo Teixeira Lopes Farias

Co-Orientador:

Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa

Menção honrosa

Memória descritiva

FLEXIBILIDADE NO HABITAR EM REABILITAÇÃO DE PATRIMÓNIO INDUSTRIAL, NO VALE DE CHELAS

A simbiose resultante entre os espaços públicos e os espaços privados da cidade culmina na produção de um conjunto A simbiose resultante entre os espaços públicos e os espaços privados da cidade culmina na produção de um conjunto heterogéneo apelidado de espaço colectivo. Este espaço em constante mudança e transformação, entre o transitar e o permanecer, perpetua a vida pública na cidade. O presente trabalho foca-se na produção  de espaços colectivos como ponto principal da consolidação intrínseca da cidade de Lisboa.

A estratégia principal passa pela reabilitação e renovação de edifícios e espaços envolventes pertencentes a domínios de cariz industrial. O objecto  de estudo é a antiga Fábrica Tinturaria Portugália e a sua envolvente, no Vale de Chelas, em Lisboa. A proposta revê-se na mudança programática original deste conjunto através da inserção de um conjunto habitacional no interior da actual estrutura em ruína, assim como espaços de trabalho e lazer. Esta prática sugere ainda uma resposta à falta de espaço que o centro da cidade de Lisboa nos apresenta.

Num presente cada vez mais globalizado e composto  por famílias e grupos domésticos bastante diversificados, torna-se imperativo apresentar soluções que colmatem um habitar em constante mudança. Assim sendo, na proposta apresentada, a Flexibilidade e a Adaptabilidade tomam forma enquanto processos de produção de espaços abertos e versáteis quanto à sua função, possibilitando um leque variado de opções quanto à utilização e apropriação dos mesmos, tanto interiores como exteriores, dependendo apenas da necessidade de quem os ocupa.

A proposta urbana, tensionada entre a envolvente exis¬tente  e o novo espaço construído e reabilitado, revê-se num espaço de transição e permanência de uso colectivo como a principal estratégia de intervenção para o local, conectando a passado e o presente, através da História e Memória do lugar.

Planta de Localização do Vale de Chelas (Lisboa) | Enquadramento

A proposta da habitação revê-se na criação de três tipo¬logias  habitacionais, flexíveis quanto ao uso dos espaços interiores. Estes módulos habitacionais (S, M  e L) pré-fabricados, em  madeira, são agregados lateralmente e por sobrepo¬sição,  gerando uma composição  que procura estabelecer a relação de proximidade  entre o valor do uso e o valor do mercado,  respectivamente. A base das tipologias, de matriz quadrada, resulta em espaços com  áreas semelhantes, anulando uma hierarquia espacial e possibilitando dividir, expandir ou comprimir o espaço habitável.

ADAPTATION  OF SPACE IN TIME

FLEXIBILITY IN DWELLING IN REHABILITATION OF INDUSTRIAL  HERITAGE, IN VALE DE CHELAS

The resulting symbiosis between public and private spaces in the city culminates in the production of a heterogeneous whole called collective space. These spaces, in constant change and transformation, between transiting and remaining, perpetuate public life in the city. The present work focuses on the production of collective spaces as the main point of the intrinsic consolidation of the city of Lisbon.

The main strategy is the rehabilitation and renovation of buildings and surrounding spaces belonging to industrial domains. The case of study is the former Fábrica Tinturaria Portugália and its surroundings, in Vale de Chelas, in Lisbon. The proposal is based on the original programmatic change of this complex through the insertion of a housing complex inside the current ruined structure, both as work and leisure spaces. This way, local regeneration is promoted, attracting new people to the area, as well as perpetuating the Memory and History of the place. This practice also suggests a response to the lack of space that Lisbon city centre presents us with.

In a more and more globalized present, composed by quite diversified families and domestic groups, it becomes imperative to present solutions that give answer to a dwelling in constant change. Therefore, in this project, Flexibility and Adaptability take shape as processes of production of spaces, open and versatile as to their function, allowing a wide range of options for their use and appropriation, both interiors and exteriors, depending only on the needs of those who occupy them.