O IMAGINÁRIO DO LUGAR. Intervenção na Fortaleza de Juromenha como contributo para a sua regeneração

Autoria:Ana Domenti

Orientação:Dr. Daniel Santos de Jesus

Universidade de Lisboa - Faculdade de Arquitectura

Finalista

Memória descritiva

Banhada pelas margens do Guadiana e localizada no Alto Alentejo, surge como um testemunho do passado a
Fortaleza de Juromenha. Trata-se de um legado de valores patrimoniais e identitários inquestionáveis – uma praça-forte de um dos sistemas defensivos mais importantes do distrito de Évora e de defesa a Lisboa. Hoje, longe do seu
auge, encontra-se em ruínas.
À vista da sua localização excêntrica, acredita-se que a sua integração num percurso ou numa rota cultural seja
fundamental para suspender o presente estado de degradação da fortaleza, que se vem agravando com o passar do
tempo. Visto já estar inserida na Rota dos Castelos do Alentejo e ainda assim continuar a apresentar-se neste
estado precário, houve uma necessidade de ir por outros caminhos. Assim, o desafio seria inserir a fortaleza numa
rota com um programa diferente, com maior componente turística, que em paralelo com a valência cultural possa
despertar a curiosidade dos viajantes e de algum modo contribua para a regeneração da Fortaleza de Juromenha.
Adotando-se por suporte da proposta uma estrutura física excecionalmente característica, parte-se do pressuposto
de que O Imaginário do lugar recolha ali valor suficiente para funcionar como pretexto catalisador de uma
renovação arquitetónica. Baseados na reflexão sobre o passado, presente e futuro, pretende-se intervir num
património, que há muito tempo em abandono, necessita de intervenção física no sentido da sua reabilitação.
A reabilitação do uso será potenciada pela inclusão do conjunto fortificado na Rota dos Vinhos do Alentejo e pela
reconfiguração funcional a partir de um programa de uso do vinho, seja enquanto ideia cultural, seja enquanto
recurso endógeno suporte de uma atividade turística. Para o efeito, projeta-se um conjunto edificado do qual farão
parte uma adega, banhos públicos, uma torre de acesso periférica e duas pré existências suscetíveis de recuperar: a
Igreja Matriz de Nossa Senhora do Loreto e a cisterna. Acredita-se que esta intervenção intramuros, com o apoio de
um conjunto de alojamento proposto para a vila, proporcione um benéfico crescimento do número de visitantes e
novos residentes, e que na sua génese seja uma base de regeneração da Fortaleza e vila de Juromenha.