REABILITAÇÃO E SUSTENTABILIDADE URBANA – BAIRRO DA BOAVISTA. +E, -CO2; Reabilitação e Sustentabilidade Urbana

Autoria:João Schedel

Orientação:Filipa Roseta Vaz Monteiro

Universidade Técnica de Lisboa - Faculdade de Arquitectura

Finalista

Memória descritiva

Desde há muito que a arquitectura, através das suas obras, tenta responder a necessidades apresentadas ao longo dos tempos, com vista não só a melhorar a qualidade de vida dos habitantes, mas também com o fim de melhorar a organização e harmonia do espaço onde esta insere.
Surge assim, nos dias de hoje, uma pergunta frequente que visa alterar a maneira de pensar e agir dos arquitectos, relativamente à forma como estes projectam as suas obras. Até que ponto é a arquitectura actual sustentável?

É com base no Programa BIP/ZIP, desenvolvido pela Camara Municipal de Lisboa que o trabalho se lança sobre o tema da reabilitação urbana, juntando a componente da sustentabilidade.
O objectivo deste trabalho visa a elaboração de estratégias sustentáveis de reabilitação para o Bairro municipal da Boavista, em Lisboa, classificado como bairro de intervenção prioritária (BIP/ZIP) devido a fortes debilidades tanto a nível do edificado como do espaço público.

O trabalho elabora intervenções a 2 níveis. Num primeiro nível, propõe a reabilitação de um quarteirão existente de modo a melhorar a eficiência energética dos edifícios. Segue-se a metodologia utilizada por Lacaton e Vassal na transformação de um bloco habitacional, Tour Bois le Prêtre em Paris, aproveitando a estrutura base do edifício mas reconstruindo uma nova pele. Num segundo nível, o projecto de reabilitação do Bairro propõe a concepção de um novo mercado comunitário que se destina ao desenvolvimento socioeconómico local, considerando que actualmente existem na envolvente do bairro um grande número de hortas.

Considerando estes dois níveis de intervenção, o trabalho pretende abranger a temática da sustentabilidade nas suas três vertentes, desdobrando-se em sustentabilidade social, económica e ambiental, com o objectivo de melhorar a eficiência dos espaços e a relação destes com aqueles que os usufruem.