Da Escola para a Comunidade. Educação como ponto de partida para o desenvolvimento

Autoria:Ana Sofia Santos Outor

Orientação:Margarida Louro

Universidade de Lisboa - Faculdade de Arquitectura | Mestrado integrado em Arquitectura

Menção honrosa

Memória descritiva

A educação é a ferramenta mais eficaz que um país pode usar para diminuir as suas desigualdades sociais e económicas, pois ao apostar na formação dos seus cidadãos promove o desenvolvimento do território e capacita futuros intervencionistas do meio social, político e estrutural. Assim, surge DA ESCOLA PARA A COMUNIDADE, um Projeto Final de Mestrado que pretende estudar soluções práticas e executáveis que ofereçam a uma comunidade mais desfavorecida a oportunidade de estudar e aprender.

A proposta desenvolvida insere-se no território de Moçambique, mais especificamente no distrito de Inhambane. Envolvida por um ambiente rural, a comunidade de Inharrime depende da agricultura de subsistência e do comércio local, sendo este um contexto que carece de investimento social e monetário. Reinventando os métodos tradicionais da arquitetura vernacular, o projeto da Escola de Ocuana, envolve a cultura moçambicana usando a arquitetura como manifestação.

Reconhecendo as potencialidades de um povo educado e informado, este projeto tira partido da arquitetura participativa como forma de integração da proposta no lugar. O Equipamento suporta a construção de uma estrutura integrada para toda comunidade, tendo em conta as carências do lugar, dando resposta às mesmas de forma faseada e concreta.

A metodologia do projeto acompanhou o método construtivo e a essência do modo de viver moçambicano, respondendo aos objetivos iniciais do projeto: a proposta de um equipamento educativo, de um módulo habitacional e a sua conjuntura urbanística. O processo criativo desenvolveu-se a partir do entendimento de diferentes escalas, partindo da escala do objeto até atingir a escala da cidade.

Readaptando técnicas construtivas da cultura moçambicana, a proposta arquitetónica pretende resolver um problema social e infraestrutural, oferecendo um espaço físico que não só capacita a comunidade a nível intelectual, mas promove espaços de encontro e interação da mesma, sendo este projeto também, um ponto de partida para o desenvolvimento sustentável da sociedade moçambicana.